Mercedes confirma permanência de Bottas e Ocon vai para Renault

Na última semana das férias da Fórmula 1 a dança das cadeiras nas equipes esquentou, com a renovação de contrato de Valtteri Bottas, que permanece na Mercedes por mais um ano, a porta da equipe alemã para Esteban Ocon, o garoto prodígio que ficou um ano sem carro precisou achar outros rumos. 

A solução do francês foi caseira, já que ele conseguiu uma vaga na Renault, desbancando o alemão Nico Hulkenberg, que sai da equipe com a incômoda marca de nunca ter subido ao pódio em quase 15 anos como piloto da categoria. Enquanto isso, Ocon volta para equipe onde foi piloto de testes em 2016.

O francês é apontado como uma das promessas da nova geração de pilotos, e já foi apontado por Lewis Hamilton como um dos mais talentosos do circuito. Porém a falta de patrocínio deixou Ocon a pé na temporada deste ano. Piloto da extinta Force India, ele não resistiu a injeção de dinheiro da família Stroll, que comprou a equipe e a transformou na Racing Point.

Ao longo de 2019 Ocon como piloto de testes da Mercedes, e era apontado como o favorito para assumir o lugar de Bottas em 2020, já que é empresariado pelo chefão da Mercedes Toto Wolf. Entretanto, o bom início de ano do finlandês e o clima tranquilo nos bastidores pesou para renovação com Bottas, que passa longe de ser uma ameaça ou causar atritos com o pentacampeão. O finlandês renovou o contrato com a equipe por um ano.

Já Hulkenberg negocia com os norte americanos da Hass para não ficar a pé na próxima temporada.  A equipe anunciou que um dos dois pilotos atuais está com vaga garantida para 2020, resta saber se Kevin Magnussen ou Romain Grosjean permanecerão no time. Outra alternativa para Hulkenberg é negociar um lugar na Alfa Romeo, onde os maus resultados de Antonio Giovinazzi fazem com que seu lugar no cockpit não esteja garantido.