Ferrari do primeiro título de Lauda vai a leilão

O carro que transformou Niki Lauda em lenda está indo a leilão. O Ferrari 312T, que foi conduzido pelo ícone da Fórmula 1 em 1975, ano que o piloto levantou o primeiro de seus três títulos, será oferecido em um evento marcado para os dias 16 e 17 de agosto, em Peblle Beach, na Califórnia. O leilão será  realizado pela Gooding & Company e as projeções é que o valor pago gire entre U$ 7 a U$ 8 milhões.

O 312T é um carro marcante para a Ferrari, pois foi com ele que a equipe italiana deixou para trás os 11 anos sem títulos. O carro foi desenhado, Mauro Forghieri, trazia uma revolução para a época, a caixa de câmbio desenhada de forma transversal, o câmbio em T. Essa mudança permitiu à Ferrari ter um carro com um centro de gravidade mais baixo, o que facilitava a vida do piloto.

Para empurrar a máquina o motor utilizado foi o Ferrari 015, de 12 cilindros e 3,0L de cilindradas. O propulsor tinha 500 cv de potência e deixou para trás os motores Cosworth DFV, utilizados por boa parte das equipes naquele ano. Mesmo com novidades tecnológicas, um motor potente e talento de Niki Lauda, demorou um pouco para o bólido engrenar no campeonato. Nas quatro primeira corridas daquele os resultados foram bem abaixo do esperado. Até o GP de mônaco, quinta etapa da temporada, Lauda ainda não tinha chegado ao pódio.

Mas a chegada ao principado marcou uma mudança radical. Lauda fez um fim de semana perfeito, marcando a pole position e chegando em primeiro lugar. O resultado da prova se repetiu nas duas corridas seguintes, GP Bélgica e Suécia. Lauda ainda venceria mais duas corridas naquele ano, os GPs da França e dos Estados Unidos, última prova da temporada. 

Foram fabricadas apenas cinco unidades do modelo 312T, e o carro foi aposentado apenas em 1976, no GP da África do Sul.

Corrida dos Campeões – Nürburgring 1984

O ano era 1984 e a Mercedes-Benz lançava seu sedã de quatro portas, E 190, da família W201, que ficou conhecido como “Baby-Benz”, devido a sua carroceria compacta, desenhada por Peter Pfeiffer. O sucesso do modelo deu início a Classe C que perdura até hoje.

Como promoção de lançamento a Mercedes Benz fez o que hoje, com todas as dificuldades impostas pelos patrocinadores, seria impossível: selecionou os principais pilotos do mundo para que corressem com seu novo carro.

Entre os pilotos convidados, lendas vivas como Sir Stirling Moss, Jack Brabham, John Surtees e Phil Hill. Talvez estes os mais lendários pilotos ainda vivos na época. Campeões mundiais veteranos como Alan Jones, Denny Hulme, Keke Rosberg, Niki Lauda, Jody Scheckter e James Hunt também foram escalados. Para completar o grid de vinte carros, foram convidados os pilotos Jacques Laffite, Carlos Reutemann, John Watson, Alain Prost, Elio de Angelis, Klaus Ludwig, Udo Schultz, Hans Herrmann e Manfred Schurti. Emerson Fittipaldi também foi convidado pela organização, mas não pode comparecer em função dos treinos para as 500 Milhas de Indianápolis que disputaria naquele ano, sendo que, para o seu lugar, foi chamado um jovem e desconhecido brasileiro que acabara de estrear na F-1, Ayrton Senna. Dos 21 pilotos, 9 eram campeões da F-1, e mais 2 o seriam mais tarde (Senna e Prost).

Nos treinos para a corrida dos 190E, os mais jovens mostraram-se rápidos, a pista molhada dificultava um pouco, o traçado era novidade para todos. Ao final dos treinos, o francês Alain Prost foi o mais rápido, com Senna em segundo. O francês Jacques Laffite atrasou-se para o evento e perdeu os treinos. O vídeo oficial não mostra o início da corrida, mas Prost garante que foi jogado para fora da pista por Senna. Esse teria sido o primeiro entrevero que ambos tiveram ao longo de sua trajetória na F1.

Ao final, Senna venceu a corrida, que teve ainda Niki Lauda em segundo e o argentino Carlos Reutmann em terceiro.

Assista abaixo a Corrida dos Campeões: https://www.youtube.com/watch?v=R7yPMrWjlNc&t=41s