McLaren e Petrobras rompem contrato mas não divulgam valor da multa

A relação entre McLaren e Petrobras se desenhava tensa desde o início deste ano, quando o novo governo assumiu o poder. Na voz do ministro da Cidadania, Osmar Terra, o contrato de patrocínio da empresa brasileira deveria ser cancelado. A rixa se estendeu por longos meses, até que nesta segunda-feira a equipe inglesa anunciou de vez o fim da parceria entre as duas. 

No mês passado o Ministério da Economia havia classificado como “injustificável” o contrato entre as duas empresas. O contrato previa um investimento de 163 milhões de libras esterlinas,  valor que gira na casa dos R$ 870 milhões. Além do patrocínio nos materiais da equipe, o acordo previa também o desenvolvimento de lubrificantes e gasolina. O primeiro chegou a ser utilizado no carro de competição, porém a gasolina nunca chegou a abastecer os carros da McLaren.

Por ano o investimento seria de pouco mais de R$ 10 milhões anuais até 2023, ano de encerramento do contrato. Do valor, 60% seria destinado para tecnologia. Os comunicados oficiais foram bem mais amenos que o clima de animosidade, especialmente por parte do governo brasileiro, visto nos meses anteriores.

Ambas se disseram satisfeitas com a parceria e comemoraram os resultados obtidos ao longo das últimas temporadas. Entretanto, nenhuma das duas noticiou o valor da multa rescisória que deve ser paga pela Petrobras. O site Grande Prêmio fala que a rescisão custará R$ 100 milhões à estatal brasileira, o equivalente a dois anos de contrato.

Raríssimo McLaren Le Mans vai a leilão

Denominado como LM-Specification, o carro é um superesportivo totalmente analógico, e sua produção foi limitada a 64 exemplares. Com este modelo a equipe inglesa venceu as 24 horas de Le Mans de 1994. Cinco dos carros utilizados na corrida lendária foram colocados à disposição do público em versões LM. Porém, a McLaren queria mais, e utilizou um pacote aerodinâmico suplementar para melhor a capacidade e velocidade de duas dessas unidades. E é justamente uma dessas raridades que vai a leilão nos próximos dias. 

Os organizadores do leilão esperam arrecadar entre U$21 e U$ 23 milhões com a venda do carro. A montadora afirma que esta é uma das versões mais eficazes do ponto de vista aerodinâmico, superando inclusive o F1 GTR, vencedor de Le Mans em 1995. O carro foi entregue novo no Japão em 1994 e convertido para a versão LM-Specification entre 200 e 2001, em um processo de duas fases. Ele é pintado de prata com interior feito de pele em creme . 

Organizadores do leilão esperam vender o clássico da McLaren por até US$ b23 milhões Foto: Divulgação

O atual dono do carro é Andrew Bagnall, que comprou o veículo em 2007. Ele é um ex-piloto neozelandês entusiasta de automóveis. Tanto que utilizou o carro em diversos eventos e rodou 21,5 mil quilômetros. Mesmo com a rodagem, o carro apresenta uma ótima conservação e agora aguarda um novo dono.

GP da Austrália: Mercedes faz dobradinha com Bottas e Hamilton

image.jpg
Valtteri Bottas ultrapassou Hamilton ainda na largada e consegiu a primeira vitória na temporada / Foto:  FIA F1

Valtteri Bottas deu aquele toque de emoção para o início da temporada 2019 da Fórmula 1. O piloto da Mercedes AMG, aproveitou o vacilo de seu companheiro Lewis Hamilton e na largada assumiu a ponta do GP da Austrália, conduzindo bravamente até garantir definitivamente a primeira vitória na temporada, deixando seu companheiro em segundo. O pódio foi fechado com o piloto da Red Bull Honda, Max Verstappen.

Além de garantir os 25 pontos pela vitória, o finlandês também a volta mais rápida da prova, o que lhe garantiu o ponto extra, uma das novidades do regulamento neste ano.
Enquanto Bottas sobrava na pista, Hamilton passou praticamente toda a corrida sofrendo a pressão imposta pela Ferrari de Sebastian Vettel e, mais tarde, pela Red Bull de Verstappen.
Enquanto a Mercedes confirmou a expectativa de ter conseguido dar a seus pilotos um carro equilibrado e extremamente competitivo, a Ferrari decepcionou.
Vettel conseguiu acompanhar Hamilton só até a primeira metade da prova, quando após a troca de pneus voltou para a pista mais lento, o que lhe custou a posição. Mas não foi só isso. O piloto alemão não conseguia manter um ritmo competitivo e ficou cerca de 30 segundos atrás de Verstappen.

O seu companheiro de equipe, Charles Leclerc até que andou bem, terminando em quinto, mas também longe de apresentar qualquer condição efetiva de brigar com os pilotos da ponta.

A turma do meio do grid teve como destaque o piloto Kevin Magnussen, da Hass, que ficou em sexto. Atrás dele ficou Nico Hulkemberg, da Renault de Nico Hulkenberg, que se mostrou habilidoso ao defender sua posição do experiente Kimi Raikkonen, que terminou em oitavo com a sua Alfa Romeo.

Lance Stroll ficou com o nono lugar com a sua Racing Point, enquanto o ponto final da disputa foi de Daniil Kvyat, com a Toro Rosso.

Além do desempenho da Ferrari, quem também ficou “devendo” foi Pierre Gasly, que conseguiu apenas a 11ª posição e Robert Kubica, que terminou em último, deixando claro que a Williams terá mais um ano difícil pela frente.

Lando Norris foi o 12° e melhor dos pilotos estreantes, com a McLaren. Carlos Sainz abandonou a prova por problemas mecânicos e Daniel Ricciardo, em sua estreia com a Renault, também não chegou ao fim da prova.

Com o resultado o campeonato termina a sua primeira etapa com a seguinte classificação:

PILOTOS  

Valtteri Bottas           26
Lewis Hamilton        18
Max Verstappen       15
Sebastian Vettel        12
Charles Leclerc         10
Kevin Magnussen       8
Nico Hulkenberg        6
Kimi Räikkönen          4
Lance Stroll                 2
Daniil Kvyat                1
Daniel Ricciardo         0
Sergio Perez                0
Carlos Sainz                0
Robert Kubica             0
Romain Grosjean       0
Pierre Gasly                 0
Lando Norris              0
Alex Albion                 0
Antonio Giovinazzi   0
George Russell            0

EQUIPES  

Mercedes                   44
Ferrari                        22
Red Bull Racing        15
Haas F1                        8
Renault                        6
Alfa Romeo Racing    4
Racing Point                2
Scuderia Toro Rosso  1
McLaren F1                 0
Williams Racing         0