Chevrolet chama proprietários para recall daTracker

Os donos do SUV Tracker, fabricada pela Chevrolet, estão sendo convocados para um recall devido a um defeito no braço de controle da suspensão dianteira . O conserto precisa ser feito nos modelos de 2015 a 2018, fabricados entre 1º de julho de 2015 a 30 de junho de 2017, e também nos modelos 2014 e 2015 fabricados entre 19 de junho de 2013 e 7 de janeiro de 2015, conforme informa o Jornal do Carro do Estadão.

A Chevrolet comunicou que os carros chamados para o recall podem apresentar um cordão de solda fora do padrão. Com isso, o funcionamento da suspensão pode ser comprometido, fazendo com que o braço inferior quebre e se separe parcialmente do carro. O problema ainda pode causar o deslocamento da roda dianteira e prejudicar a dirigibilidade, isso pode causar acidentes graves com lesões graves e até mesmo fatais.

Os chassis envolvidos no recall de 2015 a 2018 vão de FL242228 a JL120620, enquanto nas unidades fabricados entre 2014 e 2015 são do EL107306 a FL177282. O recall deve ser agendado pelo telefone 0800 702 4200 ou no site da empresa.

Coleção de carros do ator Paul Walker vai a leilão em janeiro

Astro da série Velozes e Furiosos, Paul Walker carregava a paixão pelos carros para fora das telas. Morto em um acidente há quase seis anos, o ator tinha uma coleção de automóveis na garagem, que será parcialmente leiloada, de acordo com o site Aquela Máquina.
O previsto é que o lote com os carros do ator seja vendido entre os dias 11 e 19 de janeiro de 2020, em Scottsdale, Arizona. A responsável pela venda será a leiloeira Barrett-Jackson, que apresentará um lote com peças como uma coleção de BMW M3s e o Nissan 370Z de 2009, utilizado no quinto filme da série. Outro destaque é o Ford Mustang Boss 302 S Race Car.
A garagem de Walker tinha cinco BMW M3 E36 Lightweight, carro que teve apenas 125 unidades construídas apenas 125 unidades, entre eles uma versão exclusiva construída para competições. Este é equipado com uma asa traseira e um spoiler dianteiro mais agressivos.

bmw
BMW M3 E36 Lightweight é um dos destaques da coleção particular do ator morto em 2013 Foto: Divulgação

Também integram a lista do lote um Chevrolet Nova Wagon (1963), um Chevrolet Chevelle Wagon (1964) e um Chevrolet II Nova (1967). Um Ford Bronco SUV (1995), um Audi S4 (2000), uma Ford F250 Pickup (2003) e outra Toyota Tundra Pickup (2006) fazem parte da lista, a que se juntam três motas: uma Harley-Davidson RS de 2005, uma Suzuki de 2008 e uma BMW de 2011.

Porsche reabre linha de produção para recuperar carros naufragados

A Porsche deu um passo ousado para repor quatro carros do modelo 911 GT2 RS, os veículos foram parar no fundo do mar quando eram transportados para o Brasil no dia 12 de março. A montadora decidiu reabrir a linha de montagem para produzir novamente os quatro veículos que se perderam no mar.

O naufrágio aconteceu quando o cargueiro Grande América incendiou quando navegava no Oceano Atlântico a 330 quilômetros da costa francesa. Todas as 27 pessoas que estavam a bordo foram resgatadas. A carga, entretanto, foi toda perdida, inclusive três mil automóveis de diversas marcas, dos quais 37 eram exemplares da Porsche.

Entre os modelos que naufragaram estavam o Cayenne, Macan, 718 Boxster e 718 Cayman, os quais teriam a reposição mais simples já que ainda são produzidos pela montadora de esportivos. Porém, os quatro GT2 RS representavam um problema maior, já que a versão teve produção limitada, a qual foi encerrada em fevereiro. As unidades que vinham para o Brasil eram as últimas a ser entregues no país.

As quatro unidades foram entregues no porto de Vitória, no Espírito Santo, no dia 8 de junho. Foto: Rafael Ferreira / Instagram @gpbrpaddock

Quando a sede da Porsche na Alemanha foi informada do problema decidiu reabrir a linha de produção. Assim, a fábrica de Zuffenhausen montou quatro novas unidades do 911 GT2 RS, os quais serão entregues aos clientes brasileiros. A retomada da produção foi possível porque a fábrica não iniciou a montagem da nova geração do 911, agora é chamada de “992” internamente. A produção do novo modelo começaria dois dias depois da decisão da fábrica em refazer os carros naufragados.

Os proprietários dos carros foram comunicados através de carta do naufrágio e sobre a reposição dos carros que foram fabricados em abril. As novas unidades chegaram ao porto de Vitória, no Espírito Santo, no dia 8 de junho, embarcadas no navio Grande Nigéria. Dos quatro carros, dois foram entregues em São Paulo e um em Curitiba, o quarto veículo foi enviado para Belo Horizonte. No final de junho todos os proprietários já estavam com seus automóveis em mãos.

Um modelo exclusivo, o 911 GT2 RS é equipado com motor de seis cilindros opostos, com 700 cavalos de potência. O carro leva apenas 2,8 segundos para chegar aos 100 km/h e tem velocidade máxima de 340 km/h.

Raríssimo McLaren Le Mans vai a leilão

Denominado como LM-Specification, o carro é um superesportivo totalmente analógico, e sua produção foi limitada a 64 exemplares. Com este modelo a equipe inglesa venceu as 24 horas de Le Mans de 1994. Cinco dos carros utilizados na corrida lendária foram colocados à disposição do público em versões LM. Porém, a McLaren queria mais, e utilizou um pacote aerodinâmico suplementar para melhor a capacidade e velocidade de duas dessas unidades. E é justamente uma dessas raridades que vai a leilão nos próximos dias. 

Os organizadores do leilão esperam arrecadar entre U$21 e U$ 23 milhões com a venda do carro. A montadora afirma que esta é uma das versões mais eficazes do ponto de vista aerodinâmico, superando inclusive o F1 GTR, vencedor de Le Mans em 1995. O carro foi entregue novo no Japão em 1994 e convertido para a versão LM-Specification entre 200 e 2001, em um processo de duas fases. Ele é pintado de prata com interior feito de pele em creme . 

Organizadores do leilão esperam vender o clássico da McLaren por até US$ b23 milhões Foto: Divulgação

O atual dono do carro é Andrew Bagnall, que comprou o veículo em 2007. Ele é um ex-piloto neozelandês entusiasta de automóveis. Tanto que utilizou o carro em diversos eventos e rodou 21,5 mil quilômetros. Mesmo com a rodagem, o carro apresenta uma ótima conservação e agora aguarda um novo dono.

Toyota e Subaru farão SUV em parceria

Duas gigantes japonesas uniram forças para desenvolver veículos elétricos movidos a bateria (BEVs). A Toyota Motor Corporation (Toyota) e Subaru Corporation (Subaru) anunciaram nesta semana a união para projetos voltados à produção de veículos de passageiros de médio e grande porte além de desenvolverem um modelo SUV em conjunto, que deverá ser vendido sob a marca própria de cada empresa.

A Subaru traz para o projeto tecnologias importantes como a tração nas quatro rodas, utilizada há tempos pela empresa. Já a Toyota tem destaque na eletrificação de veículos. O desafio de criar produtos atraentes no mercado de elétricos.

Toyota e Subaru trabalham juntas desde 2005, quando as duas fecharam um acordo de colaboração comercial. As duas foram vêm estreitando os laços de cooperação ao longo dos anos, o que se estende para diversos campos, tanto de desenvolvimento, produção e de vendas. Um dos primeiros resultados foram as vendas em conjunto do Toyota 86 e do Subaru BRZ, em 2012. Outro momento da parceria foi o início das vendas do híbrido original (HEV) da Subtreu’s Crosstrain Hybrid nos Estados Unidos.

Para o projeto elétrico em conjunto as duas empresas criarão uma plataforma dedicada exclusivamente ao BEV. A ideia é que a plataforma seja utilizada em vários tipos de veículos.

Como comprar e cuidar dos seus amortecedores


Peça fundamental para manter a estabilidade dos carros, os amortecedores fazem o controle das ações das molas na suspensão. Com essa função, eles garantem que os pneus se mantenham em contato com o solo, deixando a missão dos motoristas mais segura. O Na Garagem preparou um manual básico com os principais cuidados necessário para o bom funcionamento e manutenção dos amortecedores. Traçamos aqui algumas mentiras e verdades a respeito de como cuidar da peça.

É possível recondicionar os amortecedores?

Embora seja possível encontrar essas peças recondicionadas no mercado, a grande maioria na verdade não passa de amortecedores usados e descartados, a mudança deles foi apenas pintada ou teve o óleo trocado por outro fluído, geralmente fora dos padrões exigidos. A recomendação dos especialistas é não comprar este tipo de produto, isso porque o óleo original dos amortecedores é desenvolvido especialmente para a peça e uso de um outro lubrificante pode acelerar o desgaste dos componentes do amortecedor. Isso acontece porque os óleos específicos não são encontrados no mercado, e o uso de componentes diferentes dos recomendados pode colocar a segurança de motoristas e passageiros em risco.

Quais as consequências de usar amortecedores recondicionados?

Se você não sabia dessas informações e já está usando uma peça recondicionada saiba que os riscos são grandes; O desempenho dessas peças são bem inferiores as originais, isso porque os seus componentes internos estão desgastados, o que causa perda de eficiência . Entre os problemas mais sérios que o uso destes amortecedores podem causar estão a perda de dirigibilidade e estabilidade, aumento da distância de frenagem, desgaste prematuro de pneus, além de desgastar outros componentes da suspensão. Outro risco grande é os amortecedores travarem, o que vai afetar o controle do carro.

Existe alguma garantia da procedência dos amortecedores?

O Inmetro é o órgão que regula a fabricação dos amortecedores, e todas as peças tem que passar pela análise deles antes de irem para o mercado. Dessa forma, todas as peças precisam ter o selo do Inmetro, que serve como uma forma de comprovar que a peça está dentro das especificações técnicas e de segurança exigidas para o mercado brasileiro estão sendo respeitadas. O Inmetro audita as fábricas e exige que os amortecedores sejam testados em laboratório credenciados. Cada certificação é válida para uma fábrica e os produtos produzidos especificamente nela, não valendo para uma rede. O Inmetro também escolhe lotes aleatórios para realizar novos testes anualmente. Se for verificado que as peças não estão cumprindo com as regras o certificado é suspenso.

Mas um cuidado com os recondicionados, que podem ter o selo do Inmetro da fabricante original, o que leva o consumidor a acreditar que a peça foi aprovada pelo órgão, mas isso não acontece porque o Inmetro não avalia peças reutilizadas.

O que um amortecedor em mau estado pode causar?

Com a perda de eficiência causada pelo desgaste dos componentes internos o contato dos pneus com o solo acaba prejudicado. Em razão disso, nos dias chuvosos os riscos de aquaplanagem aumentam, pois a lâmina de água já reduz este contato entre os compostos e a pista. A aquaplanagem não acontece apenas em razão de amortecedores desgastados, porém o mau funcionamento desta peça aumenta a possibilidade de que ela ocorra, podendo causar acidentes graves.

Como devo substituir os amortecedores?

A recomendação é que essa peça seja sempre trocada em pares, para cada eixo. Mesmo que o outro amortecedor do eixo esteja ainda em condições de uso, fazer que um novo trabalhe com um velho, pode causar desequilíbrio, tornando a dirigibilidade mais difícil.

Ferrari F40 preparada pela “Gas Monkey Garage” será leiloada

img_944x629$2019_01_31_21_28_56_138788

A espetacular Ferrari F40, 1991, que foi totalmente recuperada pela “Gas Monkey Garage” – do programa de televisão “Dupla do barulho” – vai a leilão entre os dias 5 e 7 de fevereiro, na Califórnia.

Este é mais um capítulo na história deste “Cavallino Rampante”, que já passou por muita coisa nestes seus 28 anos. Em 2011, com apenas 11.500 quilometros rodados, ela foi destruída num acidente, em Houston, quando um mecânico resolveu levá-lo para a estrada enquanto o dono estava fora da cidade. A dianteira ficou totalmente destruída e o chassis sofreu danos graves.

img_944x629$2019_02_01_15_19_03_138858.png

Foi então que Richard Rawlings, proprietário da “Gas Monkey Garage” e protagonista do programa “Dupla do barulho”, pagou U$ 400 mil por ela. A missão de recuperar o carro coube a Aaron Kaufman e à equipe de mecânicos da “Gas Monkey Garage”, que ainda contaram com a ajuda de Stuart Singer, especialista em restauração de Ferraris, e M. Luongo, especialista certificado em tecnologia da Lamborghini e da Ferrari.

O primeiro passo foi desmontar o que restava do carro, antes de partir para o restauro e para a transformação. Mas o objetivo final nunca se alterou: criar uma F40 que fosse melhor, mais leve e mais rápido que uma original!

O resultado é um “cavallino rampante” com um visual mais agressivo, fruto da combinação do preto da carroçaria com o preto das rodas, e com uma mecânica mais potente. Para isso a equipe instalou dois novos turbos ao motor V8 de 2.9 litros, que passou a produzir 550 cv de potência, montou um sistema de escape de competição e uma suspensão ajustável da Penske Racing.

Depois de concluído, ele passou a ser um dos exemplares de F40 mais radical do mercado, que acabou sendo vendido por U$ 742.500, em um leilão para Reggie Jackson, estrela do beisebol norte-americano, mas que acabou por vendê-la no ano seguinte por U$ 643.500. O motivo? Jackson achou-a muito potente!

Agora, e a poucos dias do leilão, Richard Rawlings já anunciou que quer o bólido de volta à sua coleção. Só nos resta saber quanto está disposto a pagar para o ter de volta!

Recall: Brasil teve 2,1 milhões de carros chamados em 2018

Levantamento do Procon-SP e da Secretária da Justiça e da Defesa da Cidadania aponta que o número de recalls de automóveis realizados no Brasil em 2018 cresceu em relação ao ano passado.Segundo os órgãos de defesa do consumidor, foram 2.168.123 veículos convocados para reparos entre janeiro e dezembro, contra 1.973.053 em 2017.

Em 2018, foram realizadas 137 campanhas preventivas, ante 129 em 2017. Em relação ao percentual de atendimento — que indica quantos veículos efetivamente foram submetidos a reparo em cada recall — há um dado prévio (que ainda pode ter alterações), mas que indica queda expressiva: apenas 13,51% em 2018, ante 33,07% em 2017.