noticias-corporativas

Consórcios encerram semestre com resultados positivos, retomada dos negócios e reversão da tendência de queda

Total de adesões de junho atinge patamar de fevereiro e proporciona terceiro lugar entre os melhores semestres da década

Atibaia, SP 28/7/2020 – O comportamento do mercado mostrou interesse de novos consorciados em todos os segmentos, diz Paulo Roberto Rossi, presidente da ABAC

Total de adesões de junho atinge patamar de fevereiro e proporciona terceiro lugar entre os melhores semestres da década

Ao demonstrar confiança no Sistema de Consórcios, com consciência de quem conhece a essência da educação financeira, o volume de novos participantes atingiu 1,26 milhão, no primeiro semestre. Ao adotarem o mecanismo, confirmaram que a compra compartilhada, feita a partir de planejamento financeiro, é o melhor caminho para adquirir bens ou contratar serviços.

A grande procura observada sinalizou ainda que o consórcio, criação brasileira, pode ser a alternativa mais simples e econômica para reativar as atividades depois de períodos de crises econômicas.

No encerramento do semestre, os negócios decorrentes das vendas de novas cotas alcançaram R$ 61,26 bilhões, estável em relação aos R$ 61,55 bilhões contabilizados nos mesmos seis meses do ano passado.

O principal destaque nas adesões foi o volume de junho que, com 243,10 mil cotas comercializadas, praticamente se igualou às 245,66 mil de fevereiro, antes da influência da pandemia. Ficou ainda 39,8% acima das 173,83 mil verificados em maio.

O acumulado de janeiro a junho chegou a 1,26 milhão de cotas vendidas, 10,0% inferior às 1,40 milhão registradas naqueles meses de 2019.

“O comportamento do mercado mostrou interesse de novos consorciados em todos os segmentos”, diz Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da ABAC Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios. “O Sistema confirmou sua importância junto àqueles que planejam o futuro e têm confiança na modalidade para aquisição de bens ou contratação de serviços, dentro da essência da educação financeira.”.

Na onda do crescimento, contribuindo para o volume de negócios, o tíquete médio de junho apresentou rápida recuperação ao voltar aos melhores níveis do semestre. Ao atingir R$ 52,33 mil, posicionou-se como o segundo melhor do período, ao ficar 12,1% sobre o do mês anterior e 13,3% acima dos R$ 46,17 anotados naquele mesmo mês em 2019.

Os acumulados semestrais de vendas nos últimos dez anos demonstraram as dificuldades enfrentadas pelo Sistema de Consórcios como a crise econômica, vivenciada de 2014 a 2016, e a posterior retomada, considerando inclusive o abalo sentido com a Covid-19. Na retrospectiva da década, entre as somatórias comercializadas nos períodos de janeiro a junho, o ano de 2020, com 1,26 milhão, recuperou-se de forma acelerada, ficando com o terceiro melhor resultado.

Um dos fatores de participação em vários setores da economia, as contemplações, no período de janeiro a junho, assinalaram alta de 4% em relação aos anos passados.

Ao longo dos seis meses do ano, os créditos concedidos aos consorciados contemplados, potencialmente injetados na cadeia produtiva, importaram em R$ 26,49 bilhões, 28,0% superior aos R$ 20,69 bilhões de 2019.

No último mês do semestre, o total de participantes ativos atingiu 7,34 milhões, estável em relação aos 7,31 milhões no mesmo mês de 2019. Mesmo com o equilíbrio geral, quatro setores, dos seis onde os consórcios estão presentes, apresentaram avanços: serviços, com 50,4%; eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis, com 38,7%; veículos pesados, com 8,7%; e imóveis, com 3,2%. Simultaneamente, veículos leves manteve-se estável e motocicletas se retraiu em 5,2%.

PERSPECTIVAS APONTAM PARA CRESCIMENTO

Ao avaliar as performances mensais do Sistema de Consórcios, Rossi destacou que “o momento atípico que vivenciamos provocou nas administradoras a busca veloz às adequações focando maior agilidade para as práticas comerciais e administrativas, apoiadas na tecnologia aplicada no trabalho, especialmente os profissionais em home office, como consequência tivemos atendimentos mais adequados ao novo consumidor. Acreditamos que todas as mudanças implementadas na forma de trabalho e de fazer negócios, embora convivendo com as práticas anteriores, vieram para ficar”.

Apesar das indefinições em relação a reforma tributária que, entre outros podem se tornar entraves a retomada das atividades econômicas, há boas notícias permeando a economia, como por exemplo a alta do índice da bolsa de valores brasileira, reflexo de oportunidades internacionais, a recuperação das vendas do varejo e a retomada das atividades industriais, consequência de medidas financeiras implementadas.

“Estamos esperançosos em um segundo semestre melhor, porém cautelosos e sem euforia”, segue Rossi. “Cientes também que a pandemia não encerrou seu ciclo e que teremos que arcar com as consequências das medidas adotadas em função desta, entendemos que as experiências até agora vivenciadas poderão nos deixar um legado positivo, tornando-nos capazes de darmos a volta por cima”, finaliza.

Números do sistema de consórcios
Estimativas segundo a assessoria econômica da ABAC

No primeiro semestre deste ano, vários indicadores do Sistema de Consórcios fecharam em alta como o tíquete médio mensal, contemplações e créditos disponibilizados, enquanto outros ficaram estáveis como participantes ativos e créditos comercializados. Somente as vendas de novas cotas apontaram retração.

Apesar da redução, as adesões, setor a setor, totalizaram 548,31 mil cotas de veículos leves, 440,52 mil de motocicletas, 143,19 mil de imóveis, 53,09 mil de serviços, 43,58 mil de veículos pesados, e 33,80 mil de eletroeletrônicos e outros bens móveis duráveis, totalizando 1,26 milhão de unidades.

Veículos automotores em geral
Em razão da Covid-19, as adesões neste setor não apresentaram a recuperação esperada. O volume ficou 13,4% abaixo do obtido no primeiro semestre do ano passado. Paralelamente, os créditos comercializados, ao acompanharem as vendas, também se retraíram, 6,3%.

Imóveis
Pandemia, registrou expressivo avanço no mês de junho, com volume semestral ficando no nível dos de janeiro e fevereiro.

Ainda com alta nos negócios, o total deveu-se principalmente ao forte crescimento do tíquete médio, bem como ampliação do número de participantes ativos. As contemplações, com 9,2%, e os créditos concedidos, com 82,8%, foram os avanços positivos do período.

De janeiro a junho, 1.570 consorciados-trabalhadores, participantes dos grupos de consórcios de imóveis, utilizaram parcial ou totalmente seus saldos nas contas do FGTS, somando pouco mais de R$ 73,7 milhões, segundo o Gepas/Caixa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: